quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Pará e Lucas Coelho

Resumo da briga entre Pará e Lucas Coelho:
Lucas Coelho: - Pará, tu não cruza direito.
Pará: - Porque? Tu não sabe chutar a gol.
Daí os dois se abraçaram.

Nenhuma crítica à cobertura que a imprensa fez da briga.
Ninguém largou a tese que foi um "empurrão motivador", ninguém fez entrevista exclusiva com o presidente para ele dizer que a briga não ocorreu.

Só desejamos o mesmo empenho quando o Dalessandro socar algum colega em um treino.



quarta-feira, 29 de outubro de 2014

E as contas das Estruturas Temporárias?

Mas que dificuldade para fechar a conta das Estruturas Provisórias.
Aquelas que o Estado pagou R$ 25 milhões para receber de volta só R$5 milhões em equipamentos.
As empresas que montaram as estruturas, ainda não explicaram onde foram gastos R$ 4 milhões.
Devem estar procurando as notas...

http://wp.clicrbs.com.br/estamosemobras/2014/10/29/mp-ainda-questiona-r-4-milhoes-investidos-nas-estruturas-temporarias-do-beira-rio/?topo=52,1,1,,171,e171

Para os amigos, a lei. Para os inimigos, os rigores da lei

Na minha opinião, a frase do título deste post é o que melhor define a Justiça Esportiva Brasileira.
E até, a Arbitragem Brasileira.
Para os Amigos, a Lei.
Para os Inimigos, os Rigores da Lei.
Não existe nenhum critério de uniformização das decisões e isto faz com que as partes, clubes e atletas não tenham nenhuma segurança de como seu ato será punido.

Eu recordo de um caso, há alguns anos: O Vasco estava com um jogador inscrito irregularmente.
Deveria ser punido perdendo pontos e estaria eliminado do campeonato carioca.
Mas o Tribunal entendeu que o Vasco não tinha culpa no ocorrido e absolveu o clube.
Decisão muito semelhante à que o Corinthians teve no caso Petros.
Tecnicamente, a decisão pode ser correta.
Mas não está de acordo com outras decisões tomadas pelo tribunal quando o clube era de menor expressão.
Basta recordar os argumentos do caso da Portuguesa.
Os Auditores se manifestaram no sentido de que a decisão não poderia ser emocional, mas técnica.
Não poderiam analisar a questão da culpa da Portuguesa. Só o aspecto técnico. Ignoraram o fato do jogador aparecer no BID ainda e a decisão não ter sido publicada ainda.
Garfearam a Portuguesa, que agora, caiu para a Série C também.
As duas decisões, podem até ser corretas, legalmente.
Mas, no caso da Portuguesa, a pena foi elevada.
Poderia muito bem ter sido aplicada outra pena que não a perda de pontos.
Mas a Portuguesa não é o Corinthians.
E Justiça que decide de acordo com o tipo de réu que está sendo julgado, não é uma justiça justa.



A fantástica foto da comemoração dos Isentos

O RW merece um prêmio ARI de Jornalismo por essa foto.
Ele fez uma pesquisa fantástica.
Achou uma foto de 4 isentos indo ao delírio com o gol do Nilson no Grenal que classificou o Inter para a final que perdeu para o Bahia o título do campeonato brasileiro de 1988.

O Isento em pé está transbordando de emoção.
E tem outro dando soco no ar, outro rindo...
É muita isenção.
Tá aqui: http://cornetadorw.blogspot.com.br/2014/10/a-forte-emcao-dos-isentos-atras-do.html

terça-feira, 28 de outubro de 2014

O novo mudado

Tem gente da imprensa que acredita na redenção da humanidade.
Acreditam que as pessoas aprendem com os seus erros e mudam.
Ontem andaram entrevistando um ex-dirigente.
Ex-dirigente mercurial.
Qualquer entrevista dele, era uma polêmica.
Mas disseram ontem que ele estava mudado.
Era um outro homem.
Da mesma forma que anunciavam aos quatro ventos que Dunga era um homem mudado.
Da mesma forma que sempre dizem que Celso Roth é um homem mudado (quando querem empregá-lo no Grêmio).
É o novo mudado da praça.
Vamos aguardar.